São Félix

saofelix.jpg

Originada da antiga tribo dos índios Tupinambás, São Félix, denominada cidade presépio, foi emancipada da cidade de Cachoeira em 1889, na condição de primeira cidade brasileira formada sob o Regime Republicano.

Com estilo arquitetônico do séc. XVIII, os principais prédios são: a Igreja Matriz, com invocação ao Deus Menino, situada em frente à Ponte D. Pedro II, o Mercado Municipal e o Centro Cultural Danemann.

No passado, foi denominada de Cidade Industrial, por ter sido a maior exportadora de charutos da República, razão que motivou no ano de 1881 a construção da estrada de ferro, da Central Ferroviária da Bahia e, por final, em 1885, da famosa Ponte rodoferroviária D. Pedro II.

Criado pelo Alemão Gerhard Dannemann em 1873, o Centro Cultural Danemann é o destaque da cidade. Além de exposições, oficinas, seminários e cursos, mantém um Cine Clube e realiza o Festival de Filarmônicas e a Bienal do Recôncavo. Nesse centro, funciona também a fábrica artesanal de charutos, que leva cerca de 30 dias (entre montagem, secagem e acabamento) para completar o processo.

Em um passeio pelo centro da cidade é possível contemplar a beleza e sentir a poesia que emana do cenário formado pelo casario, pela ponte, pelo rio, de tal sorte que é impossível não lembrar o verso do poeta e sócio fundador da pousada:


A velha ponte.
O eterno rio.
O cais do porto, o casario.
Testemunhas de um passado que o tempo não destruiu.
Israel Souza, São Félix.